Você não precisa de um console pra se divertir jogando

Dizer que celulares já não servem só para ligações é chover no molhado. Afinal, quem faz ligações hoje em dia, né? Com tantos aplicativos, os smartphones são uma ferramenta muito maior que imaginaríamos há uma década. E nisso incluem-se os nossos amados joguinhos mobile. Inicialmente bem rústicos e simples (quem lembra do nostálgico jogo da cobrinha?), eles cresceram, evoluíram e agora temos para todos os gostos e estilos de jogador. Jogos simples, jogos gratuitos, jogos artísticos… e jogos em estilo anime! Nesse post, fazemos recomendações de games mobile inspirados em animes ou simplesmente com esse estilo artístico para você se divertir em casa ou na rua.

Yu-Gi-Oh! Duel Links

(Pedro Melo)

Duel Links não é a primeira aparição de Yugi e seus amigos nos smartphones. Duel Generation foi lançado em 2014 e continua disponível na loja para os fãs. Mas, enquanto ele era pesado e tinha partidas longas, DL foca em partidas rápidas e diretas, seguindo as regras do anime e com uma interface bem prática. Ótimo para a rotina corrida, né?

Em Duel Links, os jogadores têm apenas 4000 pontos de vida, metade dos 8000 padrão. Além disso, só é possível ter três monstros baixados no campo e três cartas mágicas ou armadilhas. Essas mudanças deixam o jogo mais simples e as partidas mais curtas. Outra mecânica interessante é que você escolhe personagens da série e monta decks pra cada um deles. Tá, mas qual a diferença? Simples, cada personagem tem habilidades que conferem vantagens estratégicas se usadas com um deck planejado. Por exemplo, Yami Yugi tem a habilidade de ativar automaticamente no início da partida a carta Yami, que aumenta ataque e defesa de cartas do tipo demônio e mago e diminui do tipo anjo. Ou seja, montar um deck focado em demônios e magos é uma ótima forma de explorar o potencial do personagem.

À medida que você joga, mais personagens aparecem para serem desafiados e desbloqueados. Além disso, sempre há eventos especiais com novas regras, personagens secretos e cartas raras e duelos contra outros jogadores. Até um campeonato foi organizado pela Konami, com os competidores indo ao Japão duelar no evento. Duel Links é, com certeza, uma ótima adição aos games da franquia.

Para iOS e Android.

Fire Emblem Heroes

(João Victor)

Fire Emblem Heroes é um jogo de mobile que traz o melhor da série de JRPG estratégico: a mecânica de weapon triangle e o mapa em formato de tabuleiro, além dos personagens carismáticos da série. O combate flui extremamente bem e a simplicidade das mecânicas tornam a estratégia simples de compreender. A estética do jogo é extremamente agradável e ele consegue fluir bem até o final da “campanha”. Contudo, o peso do jogo é um ponto negativo bastante notável, não sendo portanto um jogo muito acessível de se ter no celular. A dependência em internet é outro fator negativo, porém é característicos de jogos mobiles feitos por grandes empresas. No entanto, Fire Emblem Heroes é com certeza um ótimo jogo para se jogar no mobile, sendo extremamente fiel à série principal.

Para iOS e Android.

Dissidia Final Fantasy: Opera Omnia

(Willian Amaral)

O mais novo game da aclamada série de JRPGs, Dissidia Final Fantasy: Opera Omnia, foi lançado há 5 meses, no dia 1 de Fevereiro. A mecânica principal do jogo traz de volta o sistema de batalhas em turnos dos RPGs clássicos, ao mesmo tempo que utiliza o sistema mais moderno de Bravery Points, presente no Dissidia original (lançado para PSP). O jogo utiliza o esquema conhecido de vários games F2P (Free to Play): Eventos periódicos, uma história com missões principais que são adicionadas em intervalos regulares; e a compra de itens pagos que ajudam o jogador na conclusão dos desafios. Entre os pontos positivos está o visual do jogo, com uma experiência fluída. O jogo também é um pouco mais amigável na questão de itens, uma vez que é possível construir uma equipe forte mesmo sem gastar dinheiro no jogo, e conta com atualizações constantes dos desenvolvedores. Por outro lado, a evolução dos personagens é essencial, e isso significa horas e horas lutando as mesmas batalhas para evoluir mais de 50 personagens famosos da franquia, o que pode ser tedioso em alguns momentos. O jogo está presente apenas em japonês, o que também pode limitar a experiência. Mesmo assim, Opera Omnia é um grande representante dos jogos mobile feitos para a franquia Final Fantasy, e tem muito potencial para ficar cada vez melhor.

Fate/Grand Order

(Por João Paulo Gallo)

Fate/Grand Order é um dos jogos mais esperados no ocidente e chegou recentemente. Sendo parte oficial da franquia Fate, o jogo coloca você no papel de “mestre”, invocando personagens míticos e históricos para lutar ao seu lado nas guerras do Graal na forma que já é praticamente um padrão de jogos de celulares conhecida como gacha. Além de usar os servos dos animes tanto em suas classes que já foram vistas quanto em classes inéditas(como Cú Chulainn como Caster ao invés de Lancer), também traz servos completamente novos e vindos de outras obras da franquia, como os jogos de PSP.

Na gameplay, temos o tradicional pedra-papel-tesoura que é feito entre as classes, exceto as classes especiais e o Berserker, que é quem recebe e causa mais dano em todas. Além disso, a jogabilidade inova no combate em turnos usando cartas para definir as estratégias que são usadas. Basicamente você usa cards aleatórios que podem te dar golpes mais fortes no turno atual, chance de crítico no próximo ou encher a barra de especial, os Hougu, ou Noble Phantasms, deixando um gostinho de novidade no combate tradicional.

E fazendo jus à franquia, o jogo possui um modo história bem robusto, com um bom e longo enredo, interações com diversos servos diferentes e muitos diálogos no estilo visual novel, mesmo que não aparentando ter muitas consequências para as escolhas. Mas o jogo deixa modos multiplayer, que já são uma coisa padrão em jogos de celular, de lado, o que pode perder em oportunidades de gameplay, mas ganha em eliminar a ideia de um metagame e libertar os jogadores pra evoluírem os personagens que gostam ao invés de quais personagens são mais poderosos.

No geral, é um ótimo jogo que satisfaz fãs da série e novos jogadores com sua história envolvente e com as interpretações diferentes de personagens famosos (eu já estou amando a Maria Antonieta e o Shakespeare, que está presente na série dessa temporada de Fate, a Fate/Apocrypha).

Para iOS e Android.